PM expulsa uma cabo que apresentou 130 atestados médicos, ficou 774 dias afastada, mas fez jornada extra

Uma cabo da Polícia Militar de Pernambuco foi expulsa da corporação por apresentar 130 atestados médicos para ficar afastada das funções por 774 dias e mesmo assim exercer serviço voluntário remunerado pelo Programa de Jornada Extra de Segurança (PJES). A decisão, datada do dia 24 deste mês, foi publicada no Boletim Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS) na terça-feira (25).

Mesmo estando sob licença, a cabo da PM cumpriu 27 dias de serviço remunerado entre janeiro e setembro de 2013. De acordo com a corporação, os atestados apresentavam “grande variedade de CID [Classificação Internacional de Doenças]”.

Decisão foi publicada no dia 25 deste mês no Boletim Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS) (Foto: Reprodução/Boletim Geral da SDS) Decisão foi publicada no dia 25 deste mês no Boletim Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS) (Foto: Reprodução/Boletim Geral da SDS)

Decisão foi publicada no dia 25 deste mês no Boletim Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS) (Foto: Reprodução/Boletim Geral da SDS)

Para embasar a justificativa de expulsão, a Polícia Militar ainda cita a fala de um representante do Ministério Público de Pernambuco (MPPE). De acordo com a decisão, ele disse que “a postura imoral da imputada de, mesmo incapacitada para o serviço, ter se voluntariado para uma função remunerada, demonstra sua pretensão venal e sua desconsideração com a vida das pessoas que deveria proteger”.

Entre os serviços prestados mesmo durante o período de licença, ela cumpriu o PJES pela Patrulha Escolar. A expulsão, segundo a corporação, se deu pelo bem da disciplina. A decisão foi assinada pelo secretário da SDS, Antônio de Pádua Vieira Cavalcanti.

Do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *